Adeus Barriga

EU FUI GORDO 24 ANOS. QUER CONTINUAR SENDO?

Você percebe tudo o que você come?

‘Escolhi a imagem acima para que entendam, tudo absolutamente tudo o que é em excesso não faz bem, depois na imagem vemos coisas saudáveis, mas que vão engordar-nos por vários motivos, entre ele pela insuficiência de nutrientes essenciais.’
Se você está engordando, é quase certo de que você está comendo muito. Porque será que é tão difícil para você se convencer disso? Mas você não é a exceção, pois cerca de 80% dos pacientes que nos procuram para emagrecer, vem em busca de uma causa orgânica que justifique o ganho de peso. “Só pode ser hormonal” dizem alguns, “parei minha ginástica” dizem outros, ” deve ser da idade”.
Diante desses questionamentos nós até titubeamos. É tão difícil convercer as pessoas sobre os reais motivos de seu ganho de peso, que muitas vezes concordamos com elas. “É mesmo, talvez seja a idade…” ou ” vamos ver os hormônios”. Quando, pelo contrário, nós ousamos supor, que possivelmente, essas pessoas estão comendo além da conta, arrumamos uma confusão. “Como pode ser isso? Eu nem como arroz!”
Apesar do conflito que isso pode gerar, nós precisamos convencer. Convencer a cada um de vocês, de que ansiedade não engorda, faz comer. Explicar que não estamos dizendo que vocês mentem, nem estamos julgando seus comportamentos. Queremos descobrir um caminho por onde começar ajudá-los. Não há como corrigir uma falha sem identificá-la de antemão.
Comer muito, nem sempre é sinônimo de um prato volumoso. Podemos observar sempre que vamos a um restaurante por quilo, pessoas com pratos minúsculos e altamento calóricos. Geralmente sem arroz ou feijão, mas sem abrir mão de um pastelzinho, uma minúscula liguiça calabresa e uma única colher de sopa de farofa ou maionese. E os colegas de trabalho, ainda reforçam, ” mas você come tão pouco!”. Pura ilusão, pois além de muito calórica, essa refeição trará saciedade muito curta e em pouco tempo essa pessoa estará procurando algo para beliscar. E ainda continua achando que come realmente pouco.
Muitos nem almoçam, mas passam a tarde toda beliscando. São pequenas porções de castanhas, bolachinhas, barras de cereal, café adoçado com açúcar ou chocolate de máquina. Um pouquinho de cada vez, sem excessos! Ao final do dia, somadas as calorias, elas ultrapassam em muito as recomendações diárias. Um exemplo disso é que apenas 100g de castanhas podem conter quase 1000 calorias e cada 4 bolachinhas de água e sal equivalem a um pão francês. Melhor seria almoçar normalmente.
O final de semana nunca é computado. As pessoas pensam sempre na dieta de segunda a sexta feira. São grandes quantidades de alimentos e bebidas ingeridos todo sábado e domingo, ou o que é ainda pior, sexta, sábado e domingo. Sim, porque para muitos, sexta feira já faz parte do final de semana, a partir da happy hour. Além disso, nos finais de semana, o lazer se confunde com o alimento e fica difícil perceber os excessos. Cafés na padaria, almoços nas praças de alimentação dos shopings e aquela saída básica para jantar no sábado. Afinal de contas, a semana é muito dura!
Bebida alcoólica não é comida, mas muitas vezes faz parte dela e ninguém percebe isso. Além do mais, quando bebemos, beliscamos alimentos calóricos e comemos mais. A bebida apura o paladar e nos libera do controle do volume alimentar. O resultado é que quem aprecia bebidas alcoólicas com freqüência, dificilmente se mantém magro, uma vez que o álcool, com suas 7 calorias por grama, adiciona um teor calórico jamais pensado ao cardápio das pessoas.
Sucos e frutas e uma grande quantidade de alimentos saudáveis, não deixam de ter calorias, às vezes em excesso. Veja o caso do suco de laranja com sua média de 150 calorias, uma posta de salmão com 300 calorias, dois fios de azeite naquela salada perfeita, 100 calorias. Todos passam despercebidos, com a idéia de que o que é saudável não engorda. Ledo engano!
Engordamos sempre que comemos mais do que gastamos. Se uma pessoa exceder apenas 100 calorias – uma maçã – em sua ingestão diária, ela poderá, ao final de um ano, ganhar cerca de 5 kg. Analisada por essa ótica das ciências exatas, parece simples a compreensão do ganho de peso. Acontece que para a grande maioria das pessoas, isso não é tão simples. Por isso elas continuam a buscar uma causa para o ganho de peso, além do seu comportamento alimentar, mesmo que para isso, elas tenham que negar todas as evidências do fato.
Para conseguir perder peso, é preciso nos desarmar da nossa própria resistência em perceber tudo o que comemos ou de procurar doenças onde só exista comportamento alimentar inadequado. Dificilmente estaremos entre a minoria de 1% das pessoas que engordam por doença. Muito mais provável que estejamos entre os demais 99%.

Fonte:CITEN – Centro Integrado de Terapia Nutricional

Acreditem e se conscientizem disso, há só uma forma de engodarmos, ingerir mais calorias do que queimamos, então faz-se necessário saber exatamente o porque disso e MUDAR. Você também pode SUCESSO

Como dizia minha amiga:


“NADA É IMPOSSÍVEL PARA QUEM ACREDITA.”

29/10/2010 Posted by | Alimentação, Compulsão Alimentar, Depressão, Educação Alimentar | , , , | Deixe um comentário

Entenda mais um pouco sobre câncer de mama

Nossa Amiga “Menina de Pantufas,” Publicou algo de interesse Geral e que repasso.
Entenda mais um pouco sobre câncer de mama


Durante todo o mês acontece a blogagem coletiva em prol da campanha Outubro Rosa, contra o câncer de mama. Vamos ajudar a informar sobre o tema, mudando vidas. Participe você também: no blog, no Twitter, no Flickr, basta usar #outubrorosa
1 – O que causa o câncer de mama?

Na maioria dos casos de câncer de mama, não há uma causa específica. Há alguns fatores que estão associados ao aumento do risco de desenvolver a doença. A própria idade é um deles, pois a chance aumenta na medida em que se envelhece. Menarca precoce, menopausa tardia, nuliparidade (não ter filhos), primeiro filho em idade avançada, não amamentação e uso de terapia de reposição hormonal são fatores associados ao risco. Consumo excessivo de álcool, obesidade na pós-menopausa e sedentarismo também. Os fatores hereditários são responsáveis por menos de 10% dos cânceres de mama. O risco é maior quando os parentes acometidos são de primeiro grau (pai, mãe, irmãos, filhos).

2 – Atinge homens em que proporção?

O câncer de mama em homens é raro. Estima-se que, do total de casos da doença, apenas 0,8% a 1% ocorram em pessoas do sexo masculino.

3 – Existe algum sintoma além de caroço no seio?

A forma mais habitual é o aparecimento de nódulo, geralmente indolor. Outros sinais e sintomas menos frequentes são edemas semelhantes à casca de laranja, irritação ou irregularidades na pele, dor, inversão ou descamação no mamilo e descarga papilar (saída de secreção pelo mamilo). Podem também surgir nódulos palpáveis na axila.

4 – É sempre possível notar a doença por meio do toque nos seios?

Não, a patologia tem uma fase em que as lesões são do tipo não-palpáveis. Por isso, é importante a realização de exames de imagem na faixa etária de maior risco.

5 – Segundo o Inca, o autoexame não é estimulado como medida de detecção. Por quê?

Considerando as evidências atualmente disponíveis, não se pode recomendar ou fomentar o ensino do autoexame como método de rastreamento. Também não foi evidenciada diminuição da mortalidade por câncer de mama com o uso do autoexame. Entretanto, o Inca destaca a importância de que a mulher esteja atenta ao seu corpo e à saúde das mamas. A recomendação é que, diante da observação de qualquer alteração ou mudança nas mamas, busque imediatamente a avaliação de um médico.

6 – Prótese de silicone nos seios pode levar à doença?

Não há evidência científica de que exista associação entre implantes mamários de silicone e o risco de desenvolvimento de câncer de mama.

7 – Como é o tratamento de câncer de mama?

O tratamento é multidisciplinar, ou seja, deve incluir a opinião de vários especialistas médicos, como o mastologista, o radiologista, o oncologista clínico, o radioterapeuta, assim como enfermeira especializada, psicóloga, fisioterapeuta e assistente social. Habitualmente, o tratamento pede cirurgia e é complementado pela radioterapia e quimioterapia/hormonioterapia.

8 – Quais são as chances de cura de câncer de mama?

Quando diagnosticado precocemente, há até 95% de chance de cura. Por isso, é importante que toda mulher de 50 a 69 anos faça mamografia a cada dois anos.

9 – Quais mudanças de hábito podem diminuir a chance de desenvolver câncer de mama?

Mudar estilo de vida pode reduzir 28% dos casos de câncer de mama. A ingestão excessiva de álcool aumenta as chances de ter câncer de mama porque altera os níveis hormonais, como o do estrogênio (toda mulher o produz, mas existe uma atuação importante dele no desencadeamento da patologia). Caso tenha células precursoras de câncer, essas taxas elevadas podem favorecer a multiplicação delas. Se o consumo de bebidas alcoólicas fosse moderado, com no máximo um drinque por dia (uma lata de cerveja, um cálice de vinho, uma dose de bebida destilada), reduziria em 6% a incidência.

O excesso de peso precisa ser eliminado, porque significa alteração nos níveis hormonais. Além disso, quando as células de gordura estão repletas, liberam fatores pró-inflamatórios. É como se a pessoa estivesse em um processo de inflamação generalizada, o que a torna mais vulnerável a fatores cancerígenos. O recomendado é que o índice de massa corporal não ultrapasse 25, prevenindo 14% dos diagnósticos.

Deixar de lado o sedentarismo queima as gorduras e equilibra os hormônios. Mas tem de ser em ritmo moderado, como uma caminhada mais acelerada, e por, no mínimo, 30 minutos diários. Com o tempo, a dica é tentar aumentar a intensidade ou estender o período. A medida isolada pode diminuir em 11% os casos de câncer de mama.

10 – Quais alimentos ajudam a prevenir a doença?

Os de origem vegetal: frutas, legumes, verduras e leguminosas (como feijão, lentilha, grão-de-bico). Têm o poder de inibir a chegada de compostos cancerígenos às células e, ainda, consertar o DNA danificado quando a agressão já começou. Se a célula foi alterada e não foi possível consertar o DNA, alguns compostos promovem a morte delas, interrompendo a multiplicação desordenada.

A ideia de que determinado alimento é bom para tal tipo de câncer não se aplica. Tem de haver sinergismo entre os compostos, o que ajuda em todos os tipos da doença.

Por isso, é importante variar a alimentação ao máximo. A recomendação é consumir, no mínimo, 400g por dia de vegetais, sendo 2/5 de frutas e 3/5 de legumes e verduras. Cada porção equivale a uma quantia que caiba na palma da sua mão, do produto picado ou inteiro, totalizando 80g.

11 – O que não se deve comer para ajudar na prevenção?

Entre os alimentos prejudiciais estão os embutidos, que apresentam grande quantidade de sal, nitritos e nitratos. Os conservantes em contato com o suco digestivo do estômago se transformam em compostos cancerígenos. Evite ao máximo comê-los, mas o ideal é que não sejam consumidos.

Limite carne vermelha a 50g semanais. A forma de preparo dos alimentos, especialmente das carnes (de qualquer tipo), pode influenciar. Os feitos na chapa ou fritos trazem malefícios, porque a exposição a altas temperaturas também atua na formação de compostos cancerígenos. Prefira levá-los ao forno ou usá-los em ensopados. Se quiser grelhar, opte pelo pré-cozimento. O churrasco também eleva os riscos. Além da temperatura alta, a fumaça do carvão tem dois componentes cancerígenos (alcatrão e hidrocarboneto policíclico aromático), que impregnam na refeição.

12 – Qual é a importância da amamentação?

Amamentar diminui entre 10% e 20% os riscos de a mãe ter a doença. Enquanto o bebê suga o leite, o movimento promove uma espécie de esfoliação do tecido mamário por dentro. Assim, se houver células agredidas, são eliminadas e renovadas. Quando termina a lactação, várias células se autodestroem, entre elas algumas que poderiam ter lesões no material genético. Outro benefício é que as taxas do hormônio feminino estrogênio caem durante o período de aleitamento.

13 – Pílula anticoncepcional aumenta o risco da doença?

Existem estudos que demonstram fraca relação de causalidade entre pílula anticoncepcional e risco da doença, enquanto outros demonstram alguma relação.

Aqui no site Mulher Consciente tem bastante coisa legal…

19/10/2010 Posted by | Saúde | , | Deixe um comentário

BRINCADEIRINHA MATINAL

Me sinto na Obrigação de Avisar:

 

NUNCA BRINQUEM COM COISAS SÉRIAS. rsrsrs BOA

SEMANA PARA TODAS – BJKS!!!!!!!

18/10/2010 Posted by | Gordura | , | Deixe um comentário